Notícias
Quatro flores infalíveis para celebrar a chegada da primavera!
21/09/2016

 A primavera começa hoje (21/09) e com a chegada  do equinócio (período em que o sol atinge o Equador), a trajetória do astro maior  se levanta no horizonte do Hemisfério Sul, inaugurando um novo período, regido por dias mais longos e temperaturas cada vez mais altas. O clima fica instável com chuvas e tempestades mais frequentes. O ciclo da natureza começa a mudar: os animais entram em fase reprodutiva, muitos despertam de um longo período de hibernação. Cigarras, lagartas, borboletas, pequenos répteis e pássaros começam a retornar de seu longo trajeto de migração. As plantas florescem para fornecer néctar aos insetos e gerar sementes que germinarão justamente quando as primeiras chuvas caírem.

Que tal trazer para casa um pouco desta energia de renascimento e cultivar uma linda flor?

Um pouquinho de terra num vaso, pedrinhas para drenar a água e sementinhas que você mesmo pode coletar. Selecionei quatro tipos infalíveis de flores, pela simplicidade de seu cultivo e facilidade de se encontrar mudas e sementes, além de suas propriedades decorativas. Algumas são comestíveis e outras possuem propriedades medicinais, mas todas têm uma enorme resistência em sobreviver.

Em primeiro lugar escolhi a lavanda (Lavandula dentata). Planta perene de origem europeia, já  aclimatizada para o Brasil, seu óleo de uso medicinal possui efeito relaxante sobre o sistema nervoso. Pode se usar para preencher almofadinhas e aromatizar travesseiros, ajudando-nos a dormir melhor. É antisséptica  e aromática e seu chá deve ser usado parcimoniosamente porque é estimulante.

A  lavanda é muito resistente ao clima seco, que tanto tem afligido os brasileiros. Boa parte de sua seiva é constituída de óleos essenciais que não evaporam tão facilmente como a água. Para cultivá-la, você vai precisar uma muda já enraizada e de um vaso de pelo menos 10 litros. Se for plantar direto no chão, cavar uma cova larga de 50 x 50cm para afofar bem a terra e misturar o adubo orgânico, de preferência húmus de minhoca. Ao preparar o solo, observe se ele é mais arenoso (cor mais rosada ou alaranjada) ou argiloso (a terra é mais escura da cor do café). Caso seja arenoso, faça uma mistura com 40% de húmus de minhoca. Para o argiloso, faça uma mistura de 20% de húmus de minhoca e 20% de areia, pois suas raízes são bastante profundas e requerem boa drenagem (leia mais sobre solos no post Cada planta com seu torrão).

Plante uma muda por vaso ou cova. A lavanda híbrida que temos aqui, cresce rápido formando uma moita de até 90cm de largura e toma todo o espaço, pois tem raízes profundas. Deixe o vaso à pleno sol e regue a cada dois dias, de preferência quando a terra estiver seca. Não se preocupe que a muda esteja pequena para o vaso, ela irá crescer e ocupar todo o espaço em menos de um ano.
 

Outra planta ótima para a primavera é o capuchinho, da imagem acima, ainda conhecido como chagas (Tropaelum majus). Tambem é muito resistente ao clima seco. Existem espécies trepadeiras e rasteiras. Propaga-se por sementes, que se desenvolvem no âmago da flor. Caso você a encontre em algum terreno, procure as sementes que já estejam pretas (secas).

Para cultivar o capuchinho, você vai precisar de um vaso mais largo que profundo, que contenha pelo menos 5 litros. Se for plantar direto no chão, cavar uma cova larga de 50 cm de largura e  30cm de profundidade para afofar bem a terra e misturar o adubo orgânico, de preferência húmus de minhoca.  Se o solo for arenoso, faça uma mistura com 50% de húmus de minhoca, caso seja argiloso, ela deve ser de 40% de húmus de minhoca e 20% de areia, pois sendo uma flor comestível, há a necessidade de matéria orgânica, importante para garantir a sua colheita.

Plante três mudas por vaso ou cova, pois assim você aumenta as chances de ter flores amarelas, vermelhas e alaranjadas. O capuchinho cresce devagar, formando uma massa de folhas delicadas e flores exuberantemente lindas, apimentadas e cheias de vitaminas. Ficam lindos em torno de lagos, torneiras e chuveiros de jardim. Gostam de muita água  e precisam de muito sol.

Em terceiro lugar eu escolhi o tagetes,conhecido também como cravo de defunto (Tagetes patula), logo acima. De origem mexicana, essa é a flor mais fácil de cultivar. Já cheguei a cultivá-la  dentro de uma latinha de refrigerante! Suas sementes ficam escondidas na base da flor. Uma vez seca, cada flor forma mais de 50 sementes, então pela sua versatilidade e facilidade de encontrar e o poder de florir canteiros inteiros, sem qualquer custo.

Tem flores lindas amarelas e vermelhas, que atraem borboletas. E é medicinal para a terra! Suas folhas fornecem um chá que serve para repelir moscas e pulgões das hortaliças e de suas raízes emanam substâncias no solo, que repelem os vermes nocivos que infestam as raízes (nematóides). Pode também servir de ração para galinhas,  ajudando na coloração da gema dos ovos.

Para cultivar, você vai precisar de uma muda ou várias sementes (uma única flor seca), um vaso de pelo menos 300ml. Se for plantar direto no chão, cavar uma cova longa de 3cm x 15cm, afofar bem a terra e misturar o adubo orgânico, de preferência húmus de minhoca. Ao preparar a terra, faça uma mistura de 20% de húmus de minhoca  em qualquer tipo de solo. Plante as sementes em linha em menos de 0,5 mmm da superfície, cubra delicadamente, sem apertar a terra por cima. Regue diariamente até que as sementes germinem. Se preferir transplantar para distribuir as mudas,  faça depois que a terceira folha surja na plântula (nome que se dá as plantas recém nascidas) e coloque uma cobertura de palha, para manter o solo húmido.

 

Em menos de um mês você terá flores. O tagete cresce rápido formando uma moita de até 30cm de largura por 30cm de altura e toma conta de todo o espaço, pois  cada flor se torna fonte  de novas mudas. É uma planta anual, ou seja, no final da estação, ela morrerá, completando o  seu ciclo e fornecendo milhares de sementes. Volte a afofar e adubar o solo e replante, assim o seu jardim estará sempre florido. Com esta flor no jardim não haverá mais desculpas: podem ser colocadas em corredores, vasos e usadas para floreiras e arranjos florais.


Finalmente, por último, selecionei a onze horas (Portulaca grandiflora). Nativa da América do sul, resiste muito bem em qualquer terreno, seja praia, montanha ou cidade. Essa florzinha mimosa de flamejantes cores – amarela, vermelha, rosa pink e branca (como esta da foto que separei), também encontrada na variedade de pétalas dobradas, atrai as borboletas e as crianças. As meninas pequeninas não conseguem resistir, pois sua cor é de uma intensidade impressionante.

Como bem explica seu nome, ela abre às 11 da manhã e fecha antes das 3 da tarde. Sua chance de ser polinizada está na atração que exerce sobre os insetos, um verdadeiro chamariz de cor. Gosta de solos ricos e húmidos e pode ser cultivada em terrenos arenosos desde que bem adubados. Propaga-se por divisão de ramos: basta um simples pedacinho, com sete ou mais folhinhas para reproduzí-la. Enterre metade do ramo em solo leve, na diagonal, e em uma semana, ja estará enraizando. Pode-se comprar a muda também, disponível em diversas lojas brasileiras.

Plante a onze horas num espaço ou vaso de 20cm x 20cm x 20cm. Cubra as raizes com pedriscos para manter a umidade e espere florir para acertar o seu relógio. Ela precisa de muito sol e resiste bem aos gatos, que acreditam ser o lugar perfeito para o banho de sol.

Fotos: domínio público/pixabay, Pedro Moreiro López/Creative Commons/Flickr (capuchinho)

Agradecemos o Site:    www.conexaoplaneta.com.br  

 

VoltarTopo