Reflexões
Uma nova razao para Gratidão: 15 anos apos 9/11
09/09/2016

 Uma nova razão para Gratidão

Por Br. David Steindl-Rast, OSB

Este artigo, escrito em 2001, continua sendo poderosamente relevante para nosso mundo de hoje. Embora os desafios globais como a crise dos refugiados e as mudanças climáticas ameaçam oprimir-nos com uma sensação de impotência, Br. David lembra-nos que todos nós temos um papel importante a desempenhar. Cinco "pequenos" passos podem fazer a diferença. "Quem teria previsto que a gratidão pode brilhar com esse novo brilho nestes dias escuros? Que a gratidão possa iluminar o nosso caminho."

Esta manhã, eu enterrei um esquilo. Os dentes do gato tinha deixado nenhuma marca. O sujeito teimoso parecia apenas ter enrolado para dormir no buraco que tinha cavado no meio dos botões de crisântemos. Enquanto eu enchia a pequena sepultura com terra, lembrei-me com um sorriso  jogos de infância de enterrar aves mortas, insetos e ratos. De repente pensei em seres humanos - milhares e milhares - a quem ninguém nunca tem enterrado, porque nem mesmo os seus corpos foram deixados, vítimas de violência de Hiroshima e Nagasaki a baixada de Manhattan. Gratidão? A própria palavra parece totalmente fora de lugar, mesmo ofensiva, sob as circunstâncias dadas.

 

E, no entanto, o fato de falarmos de "dadas" circunstâncias é significativo. Tudo o que é dado é um dom; e a resposta adequada a todo o presente é a gratidão. Mas o que poderia ser o presente neste caso? O dom que nos foi dado pelo sinal de alerta de 11 de setembro é uma oportunidade sem precedentes. O presente dentro de cada presente é uma oportunidade. Para nós, nos dias de hoje, é a oportunidade de acordar - Despertar para a loucura da violência e a contra-violência. Afinal, assistimos apenas o elo mais recente em uma cadeia de vingança pela vingança. Esta retaliação recente não é certamente a primeira, mas nos dá uma oportunidade única para acordar e para torná-la a última.

 

Por mais estranho que seja, muitos de nós fomos capazes de ignorar o ciclo vicioso da violência contra a violência - a nossa própria e a dos outros – desde que estava acontecendo longe de nós. Estávamos dormindo. Este foi um despertar áspero. E agora? Nós podemos mostrar-nos gratos pelo sinal de alerta para ficarmos acordados, agindo atentamente. Um perigo reconhecido e enfrentado é cortado ao meio. O perigo é a violência - independentemente de quem o comete, terroristas ou governos legítimos. Sem retórica, nenhuma postura pode mais obscurecer o fato de que a violência gera violência. Temos de quebrar esse ciclo de loucura.

 

A violência tem suas raízes em cada coração. É em meu próprio coração que eu devo reconhecer o medo, a agitação, a frieza, a alienação e o impulso à raiva cega. Aqui no meu coração eu posso transformar o medo em coragem confiante, agitação e confusão em silêncio, isolamento em um sentimento de pertença, alienação em amor, e reação irracional em senso comum. A imaginação criativa de gratidão irá sugerir a cada um de nós como lidar com esta tarefa. Vou listar aqui cinco pequenos gestos que me ajudaram pessoalmente a mostrar a minha gratidão pelo sinal de alerta e ficar acordado.

 

Toda gratidão expressa confiança. Suspeita não vai mesmo reconhecer um presente como o presente: quem pode provar que não é um engodo, um suborno, uma armadilha? Gratidão tem a coragem de confiar e assim supera o medo. O ar foi eletrificado por temor nos dias de hoje, um temor fomentado e manipulada por políticos e os meios de comunicação. Aí reside o nosso maior perigo: o medo perpetua a violência. Mobilizar a coragem do seu coração, como os verdadeiramente acordados estão fazendo. Dizer uma palavra, hoje, que dá coragem a uma pessoa medrosa.

 

Porque a gratidão expressa coragem, ela espalha calma. Calma deste tipo é bastante compatível com emoções profundas. Na verdade, a histeria em massa desenfreada traz a confusão em vez de um sentimento profundo - agitação superficial em vez de uma corrente profunda de compaixão. Junte-se aos verdadeiramente compassivos que são calmos e fortes. A partir da quietude do núcleo do seu coração estender a mão. Calmamente segurar a mão de alguém hoje e espalhar a calma.

 

Quando você é grato, seu coração está aberto - aberto para com os outros, aberto para a surpresa. Nos dias desde a chamada de despertar temos visto exemplos notáveis ​​desta abertura: estranhos ajudando estranhos muitas vezes de forma heroica. Outros se afastam, se isolam, ousam ainda menos do que em outros momentos a olhar um para o outro. A violência começa com o isolamento. Quebrar esse padrão. Fazer contato com pessoas que você normalmente ignora  - contato visual, pelo menos - com o agente no pedágio, o atendente de estacionamento, alguém no elevador. Procure um estranho com seu olhar hoje e perceberá que não há estranhos.

 

Você pode sentir tanto grato quanto alienado, mas nunca os dois ao mesmo tempo. Agradecimento expulsa alienação; não há espaço para ambos no mesmo coração. Quando você é grato você sabe que você pertence a uma rede de dar e receber, e você diz "sim" àquela pertença. Este "sim" é a essência do amor. Você não precisa de palavras para expressá-lo; basta um sorriso para colocar o seu "sim" em ação. Não se importa se ou não o outro sorri de volta. Dê a alguém um sorriso inesperado hoje e assim contribuir com a sua parte para a paz na terra.

 

O que o seu agradecimento faz por si mesmo é tão importante quanto o que ele faz para os outros. Agradecimento aumenta o seu sentimento de pertença; o seu sentimento de pertença por sua vez aumenta o seu senso comum. O seu "sim" à pertença sintoniza-lo para as preocupações comuns compartilhados por todos os seres humanos. Após a chamada de despertar, nada mais faz sentido, apenas o senso comum. Temos somente um inimigo, nosso inimigo comum: a violência. O senso comum diz-nos: podemos parar a violência só parando de agir violentamente; guerra não é caminho para a paz. Ouça a notícia de hoje e coloque pelo menos um item para o teste do senso comum.

 

Os cinco passos que estou sugerindo aqui são pequenos, mas eles funcionam.   É uma ajuda  que eles são pequenos: qualquer pessoa pode tomá-los. Imagine um país cujos cidadãos - talvez até mesmo seus líderes - são corajosos, calmos e abertos em relação uns aos outros; um país cujo povo percebe que todos os seres humanos se pertencem juntos como uma família e têm que agir em conformidade; um país guiado pelo senso comum. Na medida em que nos mostramos não sem ódio e sim gratos, isso se torna realidade. Quem poderia ter previsto que a gratidão pode brilhar com esse novo brilho nestes dias escuros? Que a gratidão possa iluminar o nosso caminho.

 

- Setembro 2001

VoltarTopo